domingo, 29 de junho de 2014

NHÔ CHICO – Cantador/Cururueiro – COMPOSITOR

NHÔ CHICO


Dados Artísticos
Excelente Cururueiro, Poeta e Compositor da Música Caipira Raiz, Francisco Fornaziero, o "Nhô Chico", nasceu no Bairro Sete Barrocas, na cidade de Piracicaba-SP (município riquíssimo nas tradições da dança do Cururu), no dia 19/08/1927. Filho do Sr. Atílio Fornaziero (nascido em Rovigo, Itália) e de D. Inês Guerrero (nascida em Málaga, Espanha).
 Cururueiro:
Cururu é o repente, o desafio trovado ao som de violas do Médio Tietê. São numerosos, afamados e respeitados os cururueiros (os trovadores) da região. Alguns deles com várias viagens para o exterior. Não há Festa, ou Pouso de Bandeira do Divino sem o cururu que pode varar a noite num revezamento de várias trovadores. E não há cidadão que arrede pé diante de uma porfia de canturiões (cantadores).

Ocorrência: Conchas, Laranjal, Piracicaba, Porto Feliz, Tietê, Sorocaba, Tatuí, Porangaba,
Bofete...

Traços Biográficos
"Aos 4 anos, Nhô Chico ficou órfão de mãe, recebendo assim a educação e os carinhos de sua madrasta, a Sra. Regina Betiol. Aos 11 anos começou a tocar Cavaquinho e a cantar com seu irmão de criação, nascendo assim, a dupla 'Chiquinho e Luizinho'. Uma dupla dotada de muito talento, mas também de muita timidez, que ao notar a presença de estranhos, parava de cantar.
Acompanhando a sua família, Chiquinho, como era carinhosamente chamado, aos quatorze anos, mudou-se para Pederneiras-SP, onde viveu por 20 anos. Já aos 16 anos, começou a compor as primeiras letras. Cantor de Modas-de-Viola, também demonstrava seu grande talento, cantando Cururu.

Certa vez, o que foi motivo de muita emoção, a Dupla
'Chiquinho e Luizinho', recebeu um convite da Rádio PRG-8 de Bauru-SP, para uma apresentação. Tiveram assim, um sonho realizado.

Com o casamento de Luizinho, a dupla foi desfeita. Porém, a vida artística de Chiquinho, não parou por ali. Na inauguração da Rádio Cultura de Pederneiras-SP, fora convidado a assumir o programa sertanejo
'Festa na Fazenda'. Foi naquela época que recebeu do Sr. Kamel, diretor da emissora, um novo nome artístico que se perpetuou no meio cultural brasileiro: 'Nhô Chico'.

A partir desse momento, uma nova trajetória começava a ser traçada na vida desse valoroso artista. Conheceu as duplas
Leôncio e Leonel e Craveiro e Cravinho.

Em setembro de 1949, Nhô Chico casou-se com Apparecida de Oliveira Góes Fornaziero. Desse casamento nasceram: João, Dirceu, Neusa, Ivone, Dimas e Joaquim, tendo este último, o nome artístico de Juninho, e que herdou do pai Nhô Chico, o dom de cantar e de compor, vindo a gravar quatro CDs, na carreira solo e autor de mais de 650 letras de músicas.

Em 1961, Nhô Chico retornou definitivamente à sua terra natal, Piracicaba-SP. Passou assim, a conviver com grandes cantadores de Cururu: João Davi, Parafuso, Pedro Chiquito, Zico Moreira, Horácio Neto e outros, tornando-se conhecido em toda a região.

Com o passar do tempo, a morte de alguns amigos fez com que Nhô Chico deixasse de cantar o Cururu, dedicando-se exclusivamente à composição de letras musicais. Assim surgiram sucessos como:
'Caboclo na Cidade' (Dino Franco - Nhô Chico), 'Negrinho Parafuso' (Nhô Chico - Tião Carreiro) e 'Moradia' (Nhô Chico - Tião Carreiro - Craveiro), dentre outros.



Em 1974, Nhô Chico participou do último show do curureiro Parafuso, que foi gravado em disco pelo pesquisador e produtor Marcus Pereira e lançado no volume 1, da série "Música popular do centro-oeste e sudeste", cantando com Parafuso o cururu "Desafio", de autoria dos dois. Em 1980, a toada "Moradia", parceria com  Tião Carreiro e Craveiro, foi gravada  pela dupla Craveiro e Cravinho. No mesmo ano, a moda-de-viola "Peão entrevado", com Samaritano, foi gravada pela dupla Garcia e Laudir e "A lei do amor", parceria com Amaí e Economista, foi gravada pela dupla Economista e Contador, e, ainda, "Bebê de proveta", com  Galileu, pela dupla Galileu e Samaritano. Em 1981, a dupla Claudemir e Paulo Rogério gravou o cururu "Você errou primeiro" no LP "Minha estrela guia" do selo Canta Viola. Em 1982, teve gravada a primeira de suas composições com Dino Franco, a moda-de-viola "Caboclo na cidade" lançada pela dupla Dino Franco e Mouraí, no LP "Rancho da paz", moda que se tornaria um clássico da música sertaneja. No ano seguinte, a moda-de-viola "Negrinho Parafuso", com Tião Carreiro, foi gravada, na Chantecler, pela dupla Tião Carreiro e Pardinho. Também em 1983, Dino Franco e Mouraí gravaram a moda "A volta do caboclo", com Dino Franco. Em 1984, a moda-de-viola "O Maior calote", com Dino Franco, foi gravada no LP "Manto estrelado" que a dupla Dino Franco e Mouraí lançou pela Chantecler. Um ano depois, no LP "Em modas de viola", que a dupla Dino Franco e Mouraí gravou na Chantecler, foi incluída a moda-de-viola "A moda do cachaceiro", parceria com Dino Franco. Ainda em 1985, a dupla Tião Carreiro e Pardinho gravou, pela Continental, a toada "Moradia", com Tião Carreiro e Craveiro. No ano de 1986, o LP "Modas-de-viola volume 2", da dupla Dino Franco e Mouraí, trouxe dois dos maiores sucessos da dupla: "Brasil viola" e "Linha reta", ambas em parceria com Dino Franco. Ainda nesse ano, a composição "Caboclo centenário", com Dino Franco, foi lançada pela mesma dupla Dino Franco e Mouraí, no LP "Canção para um amor eterno", tendo ainda a toada "Amor precipitado", com Taviano, gravada pela dupla Zé do Cedro e João do Pinho. Em 1988, a moda-de-viola "Cavalgada", com Dino Franco, foi registrada por Dino Franco e Mouraí. Em 1989, compôs, com Tião do Carro, a moda "Futebol de amor", que foi lançada pela dupla Cacique e Pajé. Em 1990, no LP "Pôr do sol", o primeiro que a dupla Dino Franco e Moraí gravou na RGR, foi incluída a moda-de-viola "Candidato caipira", com Dino Franco. Em 1992, a moda-de-viola "O Maior calote", com Dino Franco, foi regravada pela dupla João Mulato e Pardinho. Dois anos depois, "Minha mensagem", com Dino Franco, foi lançada pela dupla Dino Franco e Mouraí. Por essa época, a moda "Pedro Chiquito", com Apolonio, uma homenagem ao curureiro Pedro Chiquito, foi gravada pela dupla Tião do Carro e Zé Matão. Em 1996, a moda-de-viola "Caboclo na cidade", com Dino Franco, foi gravada pela dupla Chitãozinho e Xororó no Cd "Clássicos sertanejos" da PolyGram. Em 2005, o CD "Dino Franco e Mouraí - Os maiores sucessos" incluiu cinco parcerias suas com Dino Franco e que foram sucesso em gravações da dupla Dino Franco e Mouraí: "Caboclo na cidade"; "Minha mensagem"; "A cachaça e o fumo"; "Brasil viola" e "Linha reta". Compositor especializado em modas-de-viola e que teve composições gravadas por duplas importantes como Chitãozinho e Xororó, Dino Franco e Mouraí, João Mulato e Pardinho, Cacique e Pajé, Craveiro e Cravinho e Tião Carreiro e Pardinho, entre outras, teve como seu maior sucesso a moda-de-viola "Caboclo na cidade", parceria com Dino Franco, considerada um clássico da música sertaneja. Em 2010, teve a música "Moradia", parceria sua com Tião Carreiro, gravada pela cantora Bruna Viola, em seu primeiro CD solo.

Observação:
“Vía de regra, o público assimila a composição mais aos nomes dos seus intérpretes do que aos nomes dos seus Autores. MOTIVO PELO QUAL Nhô Chico é tão pouco conhecido pelos apreciadores do gênero autenticamente sertanejo, apesar da quantidade e da qualidade das suas Obras que formam um vasto repertório de belas páginas que se destacaram por todo o território nacional”.
(Marrequinho – Compositor)

Obra - Algumas Composições de Nhô Chico
  • A cachaça e o fumo (c/ Dino Franco)
  • A Fuga (Nhô Chico - Dino Franco)
  • A lei do amor (c/ Amaí e Economista)
  • A Moda do Cachaceiro (c/ Dino Franco)
  • Amor Precipitado (Nhô Chico - Taviano)
  • A Volta do Caboclo (c/ Dino Franco)
  • Bebê de proveta (c/ Galileu)
  • Brasil Viola (c/ Dino Franco)
  • Caboclo Centenário (c/ Dino Franco)
  • Caboclo na cidade (c/ Dino Franco)
                      Caboclinha Sertaneja (Nhô Chico - José Toledo - Getúlio Toledo)
  • Candidato caipira (c/ Dino Franco)
  • Cavalgada (c/ Dino Franco)
  • Desafio (c/ Pasrafuso)
  • Futebol de amor (c/ Tião do Carro)
  • Linha reta (c/ Dino Franco)
  • Minha mensagem (c/ Dino Franco)
  • Missão cumprida (Nhô Chico)
  • Moradia (c/ Tião Carreiro e Craveiro)
  • Negrinho Parafuso (c/ Tião Carreiro)
  • O maior calote (c/ Dino Franco)
  • Peão entrevado (C/ Samaritano)
  • Pedro Chiquito (c/ Apolonio)
·                            Trem da Vida (Nhô Chico - Paraíso)
·                            Trem De Ferro (Nhô Chico)
·                            Tudo Mentira (Nhô Chico – Cravinho)
  • Você errou primeiro (Nhô Chico)
FONTE/CRÉDITOS:

=============================================================================

Contato com Minervina Almeida (Vina Sertaneja):
E-mail: radiowebmusic35@hotmail.com

3 comentários:

  1. Hoje, 21/03/2015 a terra se abre para receber o corpo de um dos seus mais ilustre representante, Nhô Chico, a canção da terra sertaneja. E o plano superior se abre para receber sua alma, alma pura do eterno menino, infantil, terno, simples, humilde e amigo de todas as pessoas. Nhô Chico, foi um imenso prazer te-lo conhecido e aprendido contigo que nas coisas mais simples estão as coisas mais belas. Vá meu velho, os céus se abrem para te receber num abraço............................

    ResponderExcluir
  2. Tive o prazer de estar com ele na sua casa em Piracicaba em 2011, cantamos proseamos e ainda nos mostrou a foto do casamento do parafuso do qual ele foi padrinho, sem duvida um dos maiores artistas do Brasil. Vai pra junto de Deus PROFESSOR!!!

    ResponderExcluir