terça-feira, 9 de abril de 2013

TONICO E TINOCO - 1ª PARTE




A DUPLA CORAÇÃO DO BRASIL


Filhos do emigrante espanhol Salvador Perez  (que chegou ao Brasil no início do século XX) e de uma brasileira (neta de escravos), Maria  do Carmo.

João Salvador Perez nasceu no município paulista de São Manuel em  2 de Março de 1917

José Perez nasceu em uma fazenda de Botucatu (que hoje pertence ao município de Pratânia) em 19 de Novembro 1920.

O Pai, Salvador Perez  adoeceu e foi despedido da fazenda  onde  trabalhava. Por  mais de quatro anos a Família Perez  viveu de favor na região de são Manuel e Botucatu. Os filhos mais velhos,
João e José ajudavam na lavoura em leves tarefas.
Enquanto trabalhavam, duetavam suas vozes no meio dos cafezais.
João o mais letrado, lecionava á noite numa sala improvisada para  os irmãos  mais novos e também para os amigos da fazenda, que pouco sabiam. Dos amigos cobrava um litro de querosene  por mês (para manter os lampiões da sala de aula), mas, dificilmente recebia alguma ajuda.
José o mais levado gostava de caçar passarinhos com arapucas (depois os soltava) com amigos do arraial e aos sábados vestia-se de Coroinha para ajudar a celebração da Missa.
Após a cerimónia acompanhava o Padre nas refeições e voltava para casa levando alimento para os irmãos.
O gosto pela a cantoria veio dos avós maternos Olegário e Isabel que alegraram a colônia com suas canções ao som de uma antiga sanfona. A primeira música que aprenderam foi  “Tristeza do Jeca”, de Angelino de Oliveira, em 1925.
Em 15  de Agosto de 1933 fizeram a sua primeira apresentação profissional. Cantaram na festa da Aparecida de São Manuel, junto com o primo Miguel formaram o “Trio da Roça”.
Em 1938 a família mudou-se para Sorocaba e dois anos  mais tarde para São Paulo instalando-se no  bairro da Mooca.
João trabalhou como Office-Boy e José como servente de pedreiro e depois como metalúrgico. Em 1942 os Irmãos Perez participaram  de um concurso de violeiros na rádio Difusora de São Paulo.  Foram os mais  aplaudidos e  ganharam o concurso (Capitão Furtado). Ariowaldo Pires (Capitão Furtado) achava que o nome não combinava com o estilo da dupla  e resolveu batiza-los como: “Tonico e Tinoco”. Foram contratados para participarem da programação caipira da rádio Difusora de São Paulo..
Em 1944 o primeiro disco em 78 rotações com a música: “Em Vez de Me Agradecê”. E desde então permaneceram nas paradas de muitos sucessos com musicas inesquecíveis, como:
Chico Mineiro, Moreninha Linda,  Canoeiro, Brasil Caboclo, Tristeza do Jeca, Menino da Porteira, Cana Verde,  Baile  na Roça entre mais de 1500 gravações,
DURANTE 60 ANOS DE CARREIRA REALIZARAM
Mais de 1500 gravações em 220 LPS de 78 rotações 30 compactos simples e duplos, 76 LPS DE 33 rotações, 03 CDs inéditos e 20 CDs remasterizados.
Participaram de sete filmes de Longa Metragem.

Lá no meu sertão
Vingança do Chico Mineiro
A Marca da Ferradura
Os Três Justiceiros
Luar do sertão
O Menino Jornaleiro
Marvada carne
                                                                                                                                             Durante  40 anos apresentaram-se em Circos e Teatros.  Criaram  uma companhia Circense com a qual percorreram o país. Em cada circo realizaram três seções pôr noite. São autores de  25 peças Teatrais Circenses,  entre  elas:

Mão  Criminosa
Último São João
Tristeza do Jeca
Chico Mineiro
Papai Noel Chorou
                                                                                                         
Trabalharam  50 anos em rádio na seguinte ordem:
Rádio Difusora Rádio Tupi  Rádio Nacional (hoje Globo) Rádio Bandeirantes e  Rádio Record de São Paulo
Realizaram   um trabalho de utilidade pública durante muitos anos, pois, o rádio era o único meio de comunicação que atingia  todo o país. Através de seus programas os ouvintes se comunicavam
com parentes.
Participaram da primeira transmissão da Televisão Brasileira, no ano de 1950. Apresentavam o programa Na Beira  da Tuia nas  seguintes emissoras: Bandeirantes. SBT, Cultura e Globo.
Realizaram grandes  eventos como. A Grande Noite Da Viola no Maracanãzinho /Rio de Janeiro (1978) Teatro Municipal de São Paulo (1979) Semana Cultural Tonico e Tinoco no centro cultural de São Paulo (1988) e o Troféu Tonico e Tinoco (1992). No  mesmo ano realizaram com Chitãozinho e Xororó na cidade de São Bernardo do Campo /SP um show  onde reuniram um público estimado pela Policia Militar  em  100,000 pessoas.
Entre as inúmeras premiações destacamos: 04 Roquetes Pinto,  Medalha Anchieta (Comenda da Cidade de São Paulo), Ordem do Trabalho (Ministro do Trabalho Almir Pazzianoto). Ordem do Mato Grosso (Comendador). Troféu Imprensa, 2 prêmios Sharp de música e o Di Giorgio.
O Slogan “A DUPLA CORAÇÃO DO BRASIL” surgiu em 1951 quando o  humorista Saracura  resolveu Batiza-los assim pela a interpretação de todos os ritmos regionais.
Venderam  mais de cento e cinquenta Milhões de cópias e,  realizaram  cerca  de  40.000 apresentações em 60 anos  de carreira.

A dupla estreou em disco, em 1944, com o cateretê "Em vez de me agradecê" (Capitão Furtado, Jaime Martins e Aimoré), que foi lançada em 1945. Na gravação de "Invés de me agardecê" ocorreu um fato inusitado, pois eles a gravaram e em seguida, quando foram gravar o lado B do disco soltaram a voz tão alto, da forma como cantavam lá na roça e estouraram o microfone. Como o processo de gravação era algo muito caro, o disco saiu apenas com um lado, mas como punição a dupla precisou ficar seis meses fazendo aula de canto para educar a voz e voltar a gravar. Por isso que o tempo do lançamento do primeiro 78 RPM para o segundo é curto, pois eles gravaram a primeira moda ainda em 1944.
Bem sucedida com essa gravação, que serviu de teste, gravou seu primeiro disco completo, a moda de viola “Sertão do Laranjinha”, motivo popular adaptado pela dupla e Capitão Furtado, e "Percorrendo o meu Brasil" (com João Merlini), que foi sucesso imediato. No ano seguinte (1946) o sucesso definitivamente chegou com "Chico Mineiro" (Tonico/Francisco Ribeiro).
Uma curiosidade: quando Tonico & Tinoco foram gravar “Chico Mineiro” a gravadora havia informado que esse seria o último disco da dupla, pois eles já haviam gravado cinco discos e existia sempre uma reclamação dos ouvintes com relação a dupla, alegavam que não era possível entender a pronúncia deles nas letras das músicas, os fãs não entendiam o que eles estavam dizendo, aí surgiu “Chico Mineiro” e tudo mudou, inclusive com o dinheiro que eles ganharam com essa música conseguiram comprar sua 1ª casa para viver com a família. Desde então, tornou-se a dupla sertaneja mais famosa do país.

FIM DA DUPLA TONICO E TINOCO

Tonico (João Salvador Perez),  faleceu no dia 13 de Agosto de  1994 após uma  queda da escada do prédio onde morava.
O último show  da dupla “Tonico e Tinoco” foi  na cidade matogrossense  de Juína no dia 07 de Agosto de 1994.
Tinoco encontrou forças no amor que recebeu dos fãs e na saudade  do companheiro que partiu.  Realizou mais de trinta apresentações contratadas anteriormente a morte do irmão.


TINOCO E ZÉ PAULO

No início do ano de 1995, Tinoco encontrou-se com Zé Paulo, que durante muitos anos cantou ao lado de Peão Carreiro. Deste encontro surgiu uma nova parceria no meio sertanejo.
A Gravadora Transcontinental lançou o único CD da dupla no mesmo ano. Em junho de 1996, os amigos decidiram seguir seus próprios caminhos.

TINOCO E TINOQUINHO

TINOQUINHO (Uilton Antonio dos Santos), 27 anos de carreira, gravou 02 compactos e 02 CDs. Trabalhou na década de 70 com a Dupla João Mineiro e Marciano. No início de 1980, resolveu formar sua Banda, realizando grandes eventos pelo interior do Estado de São Paulo. Em 1992, "Uilton Santos" (nome artístico) trouxe a sua Banda para integrar o Show de Tonico e Tinoco. Com o passar do tempo foi batizado como "Tinoquinho", e adotado de coração por Tinoco como filho.
Em junho de 1996 surge a nova formação "Tinoco e Tinoquinho". No ano de 1997 lançaram um CD voltado para Entidades Carentes. Trabalharam em Comunidades e Associações da cidade de São Paulo. Realizaram mais de 300 apresentações em 15 meses de trabalho.
Em 1998 a Gravadora MOVIEPLAY lançou no mercado fonográfico um CD com Tinoco cantando as duas vozes. Esta foi a forma que Tinoco encontrou para homenagear Tonico, seu eterno parceiro.
Perto da virada do século, "Tinoco e Tinoquinho" resolveram homenagear os 500 Anos do descobrimento, e, o nome do CD não poderia ser outro: “Brasil Caipira”.
Juntamente com o Jornalista Gildo Sanches, de São Manuel, Tinoco lançou em 2004 um livro com sua biografia.
Nome do livro que será lançado pela Editora Perez: "Tinoco, um Herói do Sertão", que conta com comentários do Prefeito Municipal de Pratânia, Roque Jonner (cidade natal de Tinoco), e tem o prefácio escrito pelo Presidente do Tribunal do Trabalho, Ministro Almir Pazzianotto Pinto.
*Naqueles anos 30 do século XX só existiam 65 emissoras de rádio e 30 mil aparelhos receptores em todo o país, para uma população de 35 milhões de pessoas.


Créditos: http://carlosferreirajf.blogspot.com.br/2009/02/tonico-e-tinoco.html

 
Em Vez de Me Agradecer - Capitão Furtado-Jaime Martins-Aymoré
Esta foi a primeira música gravada por Tonico e Tinoco em 1945 
 
Tristeza do Jeca - Angelino de Oliveira


Moreninha Linda 


 Pé de Ipê

 Contato com Minervina Almeida:
radiowebmusic35@hotmail.com 


 

Nenhum comentário:

Postar um comentário